Minha perna sucumbia





Estamos prontos para ir, você dizendo que não preciso de maquiagem. Gostaria de concordar, mas continuo passando o batom. Me puxas excitado, te quero tanto que quase cedo. Vamos nos atrasar, estamos sempre atrasados para a felicidade entre nós. 


Quero fazer pratos pra você reclamar que falta ou tem molho demais. 


Suas mãos escorregam pela minha cintura desenhando uma meia lua, que me arrepia, como posso me sentir a mesma? Acredito que estamos ligados, nesse groove suave de beijos, o momento é só nosso. O sol nascendo e o batom vermelho indo dos meus para os teus lábios. 


Quero fazer. 


Faço você sentir minha pele, ambos virando bichos famintos. Te provoco com meus vestidos. Embaixo dessa blusa sem sutiã, te chamo com os bicos duros, como metralhadoras, que querem te acertar de prazer. 


Devias engarrafar teu sabor, para que eu possa beber, quando a sede for muita e o calor for esse, esse de agora. 

Várias vezes, te quero. 

Quero dançar colado, você sabe colocar a perna entre as minhas e me apertar contra o teu peito, depois fazer meu vestido rodar. 

E ele roda, roda, roda, roda, me deixando tonta. 
























Tontura, suor. 




Vem, me faz gozar com teu olhar, me faz te imaginar nu, me completa de todos os jeitos possíveis, mais umas trilhares de vezes. Ah amor, você satisfaz minha alma, meu corpo, o tempo todo.

2 comentários:

Guilherme Castelo disse...

Maravilhoso texto! Parabéns! ;)

Tempo Livre disse...

Não sei dizer se acho erótico, romântico, ou melancólico... só sei que é muito bom :]

seguindo vc...
bju

Postar um comentário